Poema de Fim de Semana: Moto perpétuo

Por Paulo José Cunha

Como se de repente

me lembrasse

do sorriso preso na fotografia

ao som das notas de uma velha canção

e então,

na tela da retina

as mãos, a boca, os olhos,

e todas as lembranças

me invadissem

e eu mergulhasse

no abismo dos teus olhos

suavemente

e fosse morrendo

lentamente

até nascer de novo

feito um fruto

que voltasse a ser semente

feito um rio

que corresse

de volta pra nascente

dos teus olhos

na fotografia

e eu mergulhasse nesses olhos

novamente

e morresse outra vez

mas revivesse

e vida e morte fossem

simultaneamente

o caule, a flor, o fruto e a semente

no movimento interminável

de quem chega e parte

e volta e vai e nasce

e morre uma vez mais

até nascer de novo

eternamente.

 


Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Poema de Fim de Semana: Moto perpétuo

  1. jussiara santos disse:

    Simplesmente, maravilhoso….
    Paulo, desejo a você um grande ano.
    v
    beijo, Jussiara Santos

    Curtir

  2. Moniquete disse:

    Lindo poema

    Curtir

  3. Moniquete disse:

    Lindo poema, parabéns!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s