Poema de Fim de Semana: Moto perpétuo

Por Paulo José Cunha

Como se de repente

me lembrasse

do sorriso preso na fotografia

ao som das notas de uma velha canção

e então,

na tela da retina

as mãos, a boca, os olhos,

e todas as lembranças

me invadissem

e eu mergulhasse

no abismo dos teus olhos

suavemente

e fosse morrendo

lentamente

até nascer de novo

feito um fruto

que voltasse a ser semente

feito um rio

que corresse

de volta pra nascente

dos teus olhos

na fotografia

e eu mergulhasse nesses olhos

novamente

e morresse outra vez

mas revivesse

e vida e morte fossem

simultaneamente

o caule, a flor, o fruto e a semente

no movimento interminável

de quem chega e parte

e volta e vai e nasce

e morre uma vez mais

até nascer de novo

eternamente.

 


Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Poema de Fim de Semana: Moto perpétuo

  1. jussiara santos disse:

    Simplesmente, maravilhoso….
    Paulo, desejo a você um grande ano.
    v
    beijo, Jussiara Santos

    Curtir

  2. Moniquete disse:

    Lindo poema

    Curtir

  3. Moniquete disse:

    Lindo poema, parabéns!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s