Por Luiz Martins da Silva

Temo abri-los,

E deles se esvaia,

Com o tempo embalsamado,

O encanto de acreditar que neles ainda haja

Algum encanto, aguardado.

Talvez, não os tema, propriamente,

Mas que se percam da mística

As pessoas que ocultamos no tempo,

Intangíveis… Antiquárias… Algumas

Ainda em roupas de crianças.

Outras, colegiais. Outras… E mais outras…

Perdidas da espiral de Aquarius…

Recuso-me aceitar que se tenham mudado:

De idade, de cidade,

De país e até da Humanidade.

Baús, essencialmente, baús.

Ou seja, herméticos. De preferência,

Com a fechadura enguiçada.

Quem sabe, assim, conservem-nos,

Como se ainda tivéssemos acesso:

À Ilha do Tesouro,

Às Viagens de Gulliver,

À Cabana do Pai Tomás,

Às criaturas de Monteiro Lobato,

À toda a coleção de Julio Verne,

E até mesmo à nossa mais pura e verdadeira

História de Robinson Crusoé.

 

Anúncios