Poema de Fim de Semana – Tissunami: Depois do nevoeiro

Por Luiz Martins da Silva

Melhor remédio não haverá que o próprio no desuso,

Mas convém guardar divisa do horizonte no convés,

Nunca se sabe o que nos advinham a tinta fresca

E os pingos de vela caindo sobre um velho diário de bordo.

Dormir melhora a antevéspera do dilúvio,

Alguém nos ensinará uma simpatia de esperança:

Receita improvável de alguma poção mágica,

Modo de preparo: salmoura de lágrimas e chuva.

Eu vigiarei os lusco-fuscos intermitentes das borrascas,

Convicto de que algum de nós avistará um vulto,

Uma chispa de relâmpago há de lhe açoitar o rosto,

Sacudir quem semimorto por pouco quase se desgarra do rochedo.

Amo e cultivo a escuridão, misto de reverência e medo,

Pois nada mais entende de luz do que a mãe da noite,

A inferir nas entrelinhas da gramática do perigo

Que a manhã de calmaria virá colar cada um dos nossos ossos rotos.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s