Salário do operário industrial brasileiro é um dos mais baixos do mundo

O discurso neo-liberal, que ainda tem bastante espaço na mídia e na sociedade brasileira, gosta de propalar um tal de Custo Brasil. Dizem que o Brasil não vai pra frente, pois aqui existiria, segundo eles uma lei trabalhista pré-histórica, que apenas encarece a mão-de-obra e que dificulta a geração de empregos.

Todos os anos, todos os períodos eleitorais, mesmo que o País esteja bem economicamente, o discurso volta à baila. Por de trás disso o desejo insano de querer mais lucro em detrimento de um bem esta social.

Pois bem, agora todos estes que querem reduzir os direitos sociais dos assalariados brasileiros não poderão mais acusar que os benefícios encarecem o custo-da-mão de obra. Pesquisa, realizada pelo ministério do Trabalho dos Estados Unidos, demonstra que dentre as 34 economias mais importantes do mundo – e vejam que o Brasil acaba de passar até a Inglaterra, classificando seu PIB na quinta posição – o Brasil só supera em baixos salários seis nações.

Aqui, a média do salário hora é de R$ 18,60 (pelo câmbio de 4/1/2012). Só perde para países como Polônia, México e Filipinas, que pagam, em média,  R$ 14,06,  R$11,49 e R$ 3,51, respectivamente.

Veja abaixo a reportagem completa de Alex Ribeiro, publicada no Valor Econômico, dias antes ao Natal, e que a grande mídia, em especial as redes de TV ignoraram.
Os dados corroboram as críticas feitas pela industria de que a valorização contínua do real retira competitividade das exportações brasileiras. Mas eles também indicam que a mão de obra segue mais barata no Brasil do quem em muitos dos parceiros comerciais e que a falta de competitividade se deve também a outros fatores, que afetam a produtividade, e não apenas ao câmbio.Os custos de mão de obra industrial no Brasil subiram 24% em 2010, para US$ 10,08 a hora, puxados pela valorização do câmbio e aumento real de salários, mostram estatísticas compiladas pelo Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, que comparam 34 das mais importantes economias industriais do mundo.

O Brasil tem custo de mão de obra industrial maior que apenas 6 dos 34 países incluídos na amostra, entre eles a Polônia (US$ 8,01 a hora) e o México (US$ 6,23). O custo mais baixo é nas Filipinas, com US$ 1,90 a hora. Por deficiências estatísticas, o levantamento não inclui Índia e China, mas as indicações são de que nesses países os custos são bem mais baixos do que no Brasil.

O Departamento do Trabalho divulga todos os anos uma comparação internacional dos custos de mão de obra para checar como os Estados Unidos estão em relação aos seus principais competidores. A conclusão é que, entre 1997 e 2010, a competitividade americana melhorou em relação a todos os demais 33 países, com exceção de Brasil, Alemanha, Japão, Filipinas e Taiwan.

O custo mais alto de mão de obra é o da Noruega, com US$ 57,53 por hora, num conceito que inclui salários pagos aos trabalhadores e benefícios. Nos Estados Unidos, o custo médio é de US$ 34,74 a hora, o que representa mais de três vezes o custo de produzir no Brasil. A Argentina tem custo pouco mais alto que o Brasil, com US$ 12,66 a hora.

Em reais, o custo de mão de obra industrial no Brasil subiu 9% em 2010, afirma o relatório, chegando a R$ 17,75 por hora. O impacto mais forte no encarecimento da mão de obra foi pela valorização do dólar, de pouco mais de 11%. O Departamento do Trabalho usa a cotação media do dólar nos seus cálculos, que foi de R$ 1,76 em 2010. O real se enfraqueceu recentemente, mas a média das cotações no ano ainda é mais valorizada do que no ano passado, em R$ 1,67, segundo dados do Banco Central.

A Argentina foi o país em que os custos de mão de obra industrial mais subiram em 2010, com uma alta de 25%. A estratégia do país vizinho é garantir competitividade por meio de uma moeda desvalorizada. Muitos economistas advogam que o Brasil adote uma política semelhante. De fato, o câmbio não pressionou o custo de mão de obra industrial na Argentina. A perda de competitividade ocorreu sobretudo pela inflação e aumento real. Os salários em peso subiram 31% em 2010.

Uma grande lacuna do relatório é a falta de dados sobre a China e a Índia. O Departamento do Trabalho apresentou alguns números para dar uma ideia sobre a evolução do custo de mão de obra na China, que seria de US$ 1,36 por hora em 2008, e na Índia, que seria de US$ 1,17 por hora em 2007. O relatório enfatiza, porém, que devido a diferenças metodológicas, os dados não são diretamente comparáveis aos apresentados para as demais economias.

O câmbio explica muito do aumento do custo da mão de obra industrial no Brasil nos últimos anos. Entre 2002 e 2003, por exemplo, o real sofreu aguda desvalorização ante o dólar, chegando à cotação média em torno de R$ 3,00, e o custo de mão de obra atingiu o equivalente a 11% do custo nos EUA. Hoje, equivale a 29%. No caso da Argentina, o problema maior é a alta dos salários nominais, puxada sobretudo pela inflação. Em 2002, o custo de mão de obra equivalia a 11% do dos EUA. Hoje, equivale a 36%.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Brasil, Direitos trabalhistas, Economia & Finanças, Emprego & Mercado de Trabalho. Bookmark o link permanente.

9 respostas para Salário do operário industrial brasileiro é um dos mais baixos do mundo

  1. Rodrigo disse:

    Dado interessante. Mas o custo é, em grande parte, decorrente dos encargos e não dos salários efetivamente pagos aos operários.
    De qualquer modo, a discussão mais importante, para um país que pretende crescer em todos os sentidos, são as diferenças de remuneração. A classe A-B não pode mais esperar ganhar 10x, 20x o que ganha as classes C-D, como tem sido há muitos anos… Essa proporção, na Europa, por exemplo, não passa de 5x. Será que estamos prontos para isso? Será que a classe média, média alta brasileira está pronta para viver sem empregada doméstica?

    Curtir

    • Caro Rodrigo.
      Embora a reportagem não seja claro sobre este tema, é comum que ao se analisar o custo da mão de obra seja computado todos os encargos referentes a ela. Assim, creio que nesta pesquisa dos EUA os encargos sociais já estejam embutidos.

      Curtir

  2. Nestal disse:

    Tem juizo! Quem escreveu isto nao faz a minima ideia da realidade! 70% dos paises europeus nao ganham €5 por hora, nao falamos na asia , africa, enfim!!! Conclusao!? 70% da populacao mundial ganha o soficiente para nao morrerem a fome!

    Curtir

    • João disse:

      Você tem toda a razão ,de onde tiraram esses valores ,a media no maximo daria R$5,00 aqui no RS ,Brasil .Onde a maioria das fabricas pagam R$1200,00 /220 horas mensais e muitas outras pagam o salario minimo R$724,00 e algumas poucas que se contam nos dedos ,que pagam mais de R$1200,00 .Acredito que tenham feito a media de profissionais qualificados ,como engenheiros ,eletronicos ,mecanicos e etc… que não são operarios .Querem enganar quem com esses valores?!

      Curtir

  3. Pingback: Educação: salário dos professores brasileiros está entre os piores do mundo | Brasília, por Chico Sant'Anna

  4. Pingback: Feriados são bons para a economia | Brasília, por Chico Sant'Anna

  5. Pingback: Nove motivos para você se preocupar com a nova lei da terceirização | Brasília, por Chico Sant'Anna

  6. Pingback: Lei da Terceirização pode dar fim à categoria de bancários | Brasília, por Chico Sant'Anna

  7. Pingback: ONU: “Brasil é paraíso tributário para super-ricos” | Brasília, por Chico Sant'Anna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s