Por Vinícius Segalla, publicado originalmente no UOL

Ninguém sabe quanto custará o Estádio Nacional Mané Garrincha, que está sendo construído pelo governo do Distrito Federal em Brasília para a Copa do Mundo de 2014. Um fato, porém, é certo. Pelas previsões de custos atuais, ele será o mais caro dos 12 estádios que estão sendo construídos ou reformados para o evento no Brasil, superando a marca de R$ 1 bilhão. Com apenas as licitações feitas até agora e anunciadas pelo governo distrital, a soma já chega a R$ 866 milhões.

UMA OBRA SEM PREÇO DEFINIDO

Obra Preço
Construção da arena R$ 671 milhões
Construção da cobertura R$ 176 milhões
Contratação de empresa de fiscalização e gerenciamento da obra R$ 19 milhões
Construção de um túnel de 300 metros indefinido
Construção de estacionamento e heliponto indefinido
Aquisição de sistema de transmissão indefinido
Compra de gramado indefinido
Compra de arquibancadas indefinido
Construção de sistemas de drenagem, iluminação e projeto paisagístico da área externa indefinido

Tal quantia pagará pela construção da estrutura principal da arena, que terá capacidade para 70 mil pessoas (R$ 671 milhões), pela  cobertura retrátil do estádio (R$ 176 milhões) e pela contratação de uma consultoria para assessorar tecnicamente a construção do estádio (R$ 19 milhões). Fossem apenas estas as contratações programadas, a arena de Brasília seria a terceira mais cara da Copa, atrás do Itaquerão (R$ 890 milhões) e da reforma do Maracanã (R$ 931 milhões).

Ocorre que o governo do Distrito Federal ainda vai realizar licitações para a compra do gramado do estádio, para todas as cadeiras das arquibancadas, para a instalação de um sistema de broad-casting (equipamento de telecomunicação), um túnel de 300 metros que ligará o estádio a um centro de convenções, estacionamentos, um heliponto, obras de urbanização e paisagismo, equipamentos de comunicação visual, sistema de iluminação e complexo viário e de drenagens nas áreas externas.

O governo do Distrito Federal não informa quanto prevê gastar com todas essas aquisições e contratos. Na verdade, questionado pelo UOL Esporte, o Comitê Organizador da Copa 2014 no DF avaliou, na última segunda-feira, o custo do estádio em R$ 800 milhões, levando em consideração apenas cinco das cerca de dez licitações que irão compor o custo total da empreitada. O restante, o comitê omitiu em sua resposta.

Assim, é possível apenas imaginar que o custo total da obra vai ultrapassar com folga a casa do R$ 1 bilhão, paga integralmente com recursos do Distrito Federal, único ente público a abrir mão do empréstimo subsidiado do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) de até R$ 400 milhões para a construção das arenas da Copa.

Alegando ter todo este dinheiro em caixa, o governo distrital fica assim sem a verba federal e também sem o controle de órgãos que fiscalizam o uso de recursos da União, como o MPF (Ministério Público Federal) e o TCU (Tribunal de Contas da União).  A este último, restou apenas alertar, em maio de 2010, que o Estádio Nacional Mané Garrincha corre o risco de se tornar um “elefante branco” insustentável e extremamente deficitário após a Copa, considerando a pouca capacidade de gerar dinheiro do futebol do DF. O governo distrital ignorou o relatório.

Já o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), no fim de 2010, recomendou que o estádio de Brasília tivesse a capacidade reduzida de 70 para 40 mil. O projeto arquitetônico do estádio, aliás, foi entregue às autoridades públicas com a possibilidade de se erguer uma arena para 44 mil ou 70 mil pessoas, reduzindo o orçamento para R$ 400 milhões. À época, recém-eleito, o governador Agnelo Queiroz (PT-DF) chegou a dizer que seria possível reduzir a capacidade do estádio, caso Brasília não fosse escolhida para sediar o jogo inaugural do evento.

Brasília não foi escolhida, São Paulo sediará o jogo inaugural da Copa. Mas, com a decisão, Agnelo Queiroz mudou de ideia e de argumento. O estádio deveria ser feito para 70 mil pessoas, já que “Brasília tem uma das maiores rendas per capita do país, é um museu a céu aberto das obras de Oscar Niemeyer e tem vocação para o turismo”.

Também em 2010, o Ministério Público do DF voltou seus olhos para uma licitação que o Distrito Federal, quando indagado pela imprensa, não informa que realizou. Foi para a contratação de uma empresa que realizasse “serviços técnicos de gerenciamento da obra do Estádio Nacional de Brasília, compreendendo o assessoramento técnico no planejamento, programação e controle das ações a serem desenvolvidas”. Valor: R$ 18,775 milhões.

Anúncios