Por Chico Sant’Anna

Foi com o número 13 ao peito que Agnelo concorreu ao governo do Distrito Federal. É num dia 13, que terá que depor na CPI do Congresso que investiga corrupção de empreiteiras, exploradores do jogo do bicho e outras complicações.

O número 13 é um número que traz sentimentos distintos às pessoas. Para os supersticiosos, 13 é o número do azar. Ele seria responsável por acidentes e catástrofes. Sexta-feira, 13, então, nem pensar! Na escatologia, a doutrina sobre a consumação do tempo e da história, o julgamento das nações, descrito em Mateus 25.31-46  – reparem: 31 é o inverso de 13 – será apenas o fim daquilo que já começou muito antes sob os selos, trombetas e taças do juízo divino. Este julgamento definirá quais nações entrarão no Reino de Cristo e quais serão aniquiladas.

Na cartomância, a carta treze do Tarô representa a Morte. Esta é a carta que provoca mais temor a quem acredita em ler a sorte e o futuro nas cartas. Ela representa a chegada de maus acontecimentos, de más notícias. Uma espécie de xeque-mate provocado por terceiros. No campo emocional, abrir a carta da Morte pode representar a destruição de um sentimento, de uma esperança. E, no campo físico, ela significa perdas importantes. Uma completa transformação nos negócios ou atividades. Se formos olhar pela ótica da saúde, a morte poderá poderá até ser evitada, mas deixará lesões incuráveis.

Em regiões da Europa, como na Provença francesa, o Natal era festejado com treze sobremesas e na Romênia, com treze pratos de peixe. O  número 13 sugere aos religiosos a morte da matéria e o nascimento do espírito. Por outro lado, os cristãos também tem sempre têm à mente que Judas era o 13º apóstolo de cristo e o delatou por 30 moedas.

Na conjuntura política atual, 13 é o número do Partido dos Trabalhadores – PT. E 13 é o dia no qual o governador Agnelo Queiroz terá que depor na CPI do Cachoeira. Esta coincidência poderia estar reservando algo no futuro do governador do Distrito Federal? Se Agnelo for supersticioso, ele terá vários parâmetros para se agarrar. Positivos e negativos.

Na cultura judaica, a décima terceira letra do alfabeto hebraico, mem, tem como valor numérico 40. E Quarenta representa a purificação. Este seria, então, o primeiro passo para a purificação política da Capital Federal?

Será o 13 efetivamente um elemento de energia positiva? Os numerólogos dizem que sim: 1 + 3 é igual a 4 e quatro representaria a “segurança nas decisões”. Desta forma, Agnelo não teria o que temer ao falar na CPI.

Para o técnico de futebol Zagalo, 13 era seu número da sorte, mas sob o comando dele, o Botafogo – time de Agnelo Queiroz -ganhou poucos campeonatos. El Loco, artilheiro alvinegro, também usa o 13 às costas, mas vem perdendo penalty atrás de penalty.

Mas já que o tema da moda é jogo de azar, é bom lembrar que no Jogo do Bicho, criado, em 1892, pelo barão João Batista Viana Drummond, fundador e proprietário do Jardim zoológico do Rio de Janeiro, cuja operação em Goiás é atribuída a Carlos Cachoeira, 13 é o número da borboleta, já no grupo, 13 é o galo.

O Galo tem característica de ser o primeiro a cantar. Antes de qualquer um, ele solta em alto e bom som os seus cocoricós, para que todos o ouçam. Na CPI, Agnelo vai abrir o bico? É bom ter em conta que o galo, dizem os chineses, gosta de impor a  sua autoridade e muitos dos problemas que experimenta são provenientes desta atitude dominadora. Que ele saiba que no calendário chinês, o ano do Galo traz desapontamentos e os conflitos estão na ordem do dia. Desta forma. é bom que os riscos sejam evitados.

Assim como os políticos que, sem constrangimentos, mudam de um partido a outro, a borboleta é um animal fruto da metamorfose – uma hora é uma bizarra lagarta que chega até queimar quem as tocas, em outra são elegantes insetos voadores. Ela tem uma vida curta e um voo lento e meio sem rumo. Alcançam apenas uns 20 quilômetros, e, tradicionalmente, em círculos.

Sua sobrevida também é curta: em média de duas a quatro semanas. Isso, quando não se depara com predadores esfomeados e sedentos. E é sempre bom lembrar que grandes catástrofes, vêm do chamado “Efeito Borboleta”, aquele pelo qual pequenas ações provocam por efeito dominó, conseqüências gigantescas.

O que os números da política reservam para Agnelo é difícil predizer, mas a julgar pelos últimos fatos ocorridos na CPI, inclusive a sua convocação em detrimento do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, ele deve ir precavido, com amuletos para afastar maus espíritos. Nas redes sociais já há quem sugere que ele leve folha de arruda.

Arruda?

Pé de pato mangalô três vezes!!!!