Poema de Fim de Semana: A Barba do Bárbaro

Por Luiz Martins da Silva

Há um tempo em que a barba é a inveja da alheia.

E, logo, vem da barba o tempo de espera.

De repente, ei-los, indícios da suprema surpresa.

Já, já, chegam: as espinhas, os capuchos, os pentelhos.

– x –

Então, sobrevém da barba, longa amizade com o espelho.

Quando Narciso se dá conta, já não é Apolo:

É fauno barbudo, encalço, rebanho de gazelas,

Mas, homem, é tão somente neófito de guerreiro.

– x –

Um dia, de fato, pronto está o bruto,

O bravo bárbaro em laivos de empestar a brisa:

Odores de adrenalina, músculos e almíscares.

– x –

Glândulas, pra que te quero e, se barba já é estorvo,

E cangas sobre os ombros, sustentos, lavores, filhos…

Cotidiano ritual de amadurecer, a barba, agora, é despojo.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: A Barba do Bárbaro

  1. Pingback: Poema de Fim de Semana: RAMIFICAÇÕES | Brasília por Chico Sant'Anna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s