Poema de Fim de Semana: Teto e Tato

Por Luiz Martins da Silva

 

I

Quando a casa é alheia,

Disciplina de sentidos,

Tantos seres invisíveis

Em noites de lua nova.

II

Quando só em solo alheio,

Há de sondar dobradiças,

Rangidos reagem a estranhos,

Em descontrole de rótulas.

 

III

Quando lá é lar alheio,

Jardim girassol de sorrisos,

Não soa franzir cerimônia,

Cerzir cenho de acabrunhas.

 

IV

Quando a sala é alheia,

Carece manual, etiqueta;

Até o solar do calçado

Requer entoar decoro.

 

V

Quando o assoalho é alheio,

Tudo se sabe a sabor,

Saber o som do elogio,

Mesmo o frio é o melhor.

 

VI

Quando é a cama que alheia,

Não se repuxam lençois;

Não se assoma ao ressonar

De roncos em crepitar de lenha.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s