Você conhece as aves de Brasília? Conheça aqui o Graveteiro

Textos com base no Wiki Aves, a Enciclopédia das aves do Brasil, e no Guia das Aves do Pantanal.
Fotos de Evando F. Lopes, publicadas originalmente no  portal  Águas Emendadas

O graveteiro (Phacellodomus ruber) possui um tamanho de quase o dobro de seu primo mais próximo, conhecido por  joão-graveteiro, (Phacellodomus rufifrons). É uma ave passeriforme da família Furnariidae. Outro elemento que diferencia as duas espécies, é que o graveteiro ruber possui o dorso em tom marrom avermelhado (veja foto acima), fazendo forte contraste com a garganta clara.

À distância pode ser confundido com o carrega-pau, devido ao olho amarelo e um pouco por causa do marrom avermelhado. Não possui, entretanto, o cinza no alto da cabeçaa e as penas são mantidas junto ao corpo, sem formar o topete do carrega-pau.

Estado de Conservação

Pouco Preocupante

A espécie já apresenta um estado de preservação que requer cuidados. Os passários desta espécie são vistos frequentemente aos pares e medem, em média, 19 centímetros e chamam ateção pelos olhos de cor amarela.

Está gostando?
Abaixo, 32 outras aves comuns à Capital Federal.
Clique no enlace e confira.  

Hábitos e alimentação

De pequeno porte, o graveteiro constrói ninhos enormes com gravetos (razão do nome comum). O ninho é maior, redondo na forma de uma bola de gravetos e com uma entrada lateral visível (na outra espécie, a  Phacellodomus rufifrons é difícil distinguir a entrada).  O ninho é  internamente forrado com folhas e capins. No máximo, um segundo ninho é construído ao lado, no mesmo galho, embora a regra geral seja de um ninho isolado. Com isso, o galho de apoio começa a pender e a ficar coberto de material, destacando-se na paisagem. Os  gravetos usados são relativamente grandes para o tamanho do passarinho. O casal atua em parceria na construção da casa, que será utilizada durante todo o ano pelos dois e pela ninhada (mesmo após voar) como local de abrigo.

ave graveteiro

Alimentação e canto
Caça insetos no solo, invertebrados desde os arbustos próximos ao solo até a copa das árvores; Tem uma preferência pelas frondes dos buritis. A caça é geralmente em casais ou de forma solitária. Como o outro joão-graveteiro, movimenta-se virtualmente invisível na vegetação.

O chamado de alarme é semelhante nas duas espécies. O canto em dueto, emitido durate o ano inteiro, com maior intensidade de julho a dezembro (período reprodutivo) é escutado antes de ser vista a ave. O casal posiciona-se próximo ou dentro do ninho, algumas vezes no meio da vegetação e começa o dueto. A versão completa é longa, mas também é escutada uma versão curta do canto. Inicia-se por chamados agudos, breves e altos, os quais vão baixando de tom e diminuindo o intervalo entre eles.

Distribuição Geográfica

O Graveteiro poderia ser considerado o passáro ícone do Mercosul, uma vez que pode ser encontrado com facilidade na ArgentinaBolíviaBrasil e Paraguai. Os seus habitats naturais são: matagal húmido tropical ou subtropical e florestas secundárias altamente degradadas. No Centro-Oeste brasileiro, prefere as matas ribeirinha de lagos e rios ou buritizais e em mata de galeria nas proximidades d’água.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em As riquezas do Entorno, Brasília - DF, Cerrado, Fauna & Flora, Meio ambiente e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s