Poema da Semana Santa: Contemplando estátuas

Poema de Luiz Martins da Silva. Foto de Marcos Nunes

Por que não sorriem os profetas?

Por que o olhar crispado,

Indefinido para além do horizonte?

X

Ah! Agora, compreendo,

Quanta inspiração para tanta culpa,

A perpetuação do pecado original.

X

De joelhos, na matriz, a culpa motriz:

Sentir-se culpado pela morte do Filho…

E o coração dilacerado… O rosto da Mãe…

X

O Senhor morto, os joelhos, rótulas expostas;

Os olhos para sempre fixos, fitos de dor:

A lança, o corte, o vinagre.

X

Todas as vias sacras de minha infância

Foram ainda amenas ante a clemência

Estampada, implorada… Barrocas imagens!

X

E para sempre a consideração à parte,

De que todo aquela perfeição de sofrimento

Fora esculpida por um Aleijadinho.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura, Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s