CLDF: Cabo Patrício dá parecer favorável ao processo de cassação de Raad

Depois de analisar as investigações da Polícia Civil e do Ministério Público do DF, o corregedor da Câmara Legislativa concluiu seu relatório e vai pedir a cassação do mandato de Raad Massouh (PPL); o parlamentar é acusado de desviar dinheiro público por meio de emendas ainda em 2009, utilizando a Administração de Sobradinho, que realizou festas sem licitação pública; pedido vai ser enviado para Comissão de Ética

De Juliane Sacerdote, publicado originalmente no Brasília 247

O corregedor da Câmara Legislativa entregou nesta terça-feira 9, o seu relatório sobre as denúncias contra o deputado Raad Masshouh (PPL). Patrício (PT) concluiu que o distrital deve responder por quebra de decoro parlamentar pelas denúncias existentes contra ele na justiça.

O pedido de cassação de mandato segue agora para a Comissão de Ética da casa. Um dos integrantes vai ser escolhido relator e o parecer vai ser votado primeiro dentro do próprio colegiado. Caso haja consenso, o tema vai ser enviado ao plenário onde os demais parlamentares vão votar contra ou a favor do distrital.

Raah Massouh é acusado de se valer do cargo de deputado para repassar R$ 100 mil por meio de emenda parlamentar ao então administrador de Sobradinho. Carlos Augusto de Barros foi indicado pelo próprio Raad, e usou o dinheiro público para fazer festas, o que ocorreu sem licitação.

As denúncias vieram à tona em novembro do ano passado durante a Operação Mangona do Ministério Público do Distrito Federal e da Polícia Civil. Na época, foram cumpridos mandados de busca e apreensão na casa do parlamentar e também no gabinete dele, que ocupava o cargo de secretário de Micro e Pequena Empresa.

A assessoria do corregedor não quis adiantar detalhes do relatório, que vai ser divulgado na íntegra nesta quarta-feira 10.

Esfera criminal

No início do mês passado, o MP ajuizou ação contra o parlamentar no Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e o acusou de três crimes: peculato, lavagem de dinheiro e contratação ilegal.

A denúncia ainda é avaliada pela desembargadora Sandra de Santis. A abertura ou não de processo criminal depende da análise da corte, composta por 17 magistrados, já que o distrital tem foro privilegiado.

A assessoria do deputado Raad Massouh informou ao Brasília 247 que só vai se pronunciar quando tiver acesso ao teor completo do relatório.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Ética na Política, Brasília - DF, Câmara Distrital, Eleições em Brasília, Política & Partidos e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s