Poema de Fim de Semana: Olheiras

Ilustração poema OlheirasPoema de Luiz Martins da Silva.
Ilustração: Lullaby of Broadway.
Óleo sobre chapa de Michael Carson

A que sedimentos se destinam…

Amores equívocos?

Pessoas esquecidas?

Pontas rotas de lápis?

Meias descasadas?

X

Um dia, nos damos conta,

Dos outros não apagamos dívidas,

Mas quanto somos auto-perdão

De um rol de  vilanias,

Molduras de indulgências!

X

Arranham-se dos discos

As faixas prediletas.

De roupas bem guardadas,

Desgasta-se no espelho

A silhueta de Narciso.

X

Plenitude de egos,

Avidez de vaidades.

Se um ao outro refletimos,

Pactos de sobrevivência,

Águas não repassadas.

X

Por ora, tronco vetusto

De árvore petrificada,

Genealogia do solo ao céu,

Serve-me de seiva o que salvo

De ti o que em mim é meu.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Brasília - DF, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Poema de Fim de Semana: Olheiras

  1. Cristina disse:

    Uma maravilha.
    Chico, onde encontro os cantos dos pássaros do cerrado. Creio que você postou uma vez. Abs.

    Curtir

  2. Cristina disse:

    Esqueci o “?” . Pressa dá nisso.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s