Santos e FlamengoDo Jornal de Brasília

Erguido no Eixo Monumental num projeto que chegará ao custo de R$ 1,6 bilhão, segundo previsão do Tribunal de Contas do DF (TCDF), o Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha tem em seu currículo outro recorde, além de ter sido o mais caro construído no Brasil para receber as copas da Confederação e do Mundo. O da maior bilheteria da história do futebol nacional, R$ 6,9 milhões, ao registrar ontem 63.501 pagantes no jogo entre Santos e Flamengo, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro. O problema é que de todo esse dinheiro, apenas R$ 4 mil sobraram para os cofres do GDF. Esse foi o valor cobrado pelo aluguel do estádio.

A polêmica envolvendo a renda do jogo entre Santos e Flamengo no Mané Garrincha começou na definição do mando de campo entre Santos e Flamengo, estimulada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que quer ver cheios os estádios construídos para a Copa das Confederações e para o Mundial de 2014. Assim, a diretoria do clube da Vila Belmiro aceitou vender a renda da partida por R$ 800 mil à Federação Brasiliense de Futebol. A Federação Paulista de Futebol (FPF), por sua vez, recebeu R$ 200 mil.

Desde que começaram as vendas dos ingressos e os valores foram divulgados – entre R$ 160 e R$ 400, os mais caros do jogos recebidos pelas arenas da Copa –  o assunto é puro mistério. Mas o que se sabe, até agora, é que a renda recorde não ficará nos cofres da FBF, nem na CBF, nem para o Santos, nem para o Flamengo e muito menos será revertida aos cofres do GDF, que com esse dinheiro poderia, por exemplo, construir um hospital inteiro, novinho em folha.

Para uma empresa

Só que a renda vai para a empresa Aoxy, do empresário Alberto Belotti, também conhecido por Tuca. Wagner Abrahão, também empresário e com trânsito livre na CBF desde os tempos de Ricardo Teixeira, é um dos diretores da companhia, que tem capital de giro de R$ 100 mil e sede em São Paulo.

Tuca Belotti aparece ligado à entidade que comanda o futebol nacional desde 2006. E com um escândalo. O empresário foi acusado na época da Copa do Mundo da Alemanha de estar, supostamente, envolvido em um esquema de ingressos concedidos pela CBF para cambistas.

Maior renda do Campeonato Brasileiro, o jogo Santos x Flamengo resultou em apenas R$ 4 mil reais aos cofres do GDF. Foto: Globo Esporte.

A arrecadação histórica, que seria motivo de satisfação para o Santos, mandante da partida, transformou-se em uma saia-justa para a diretoria porque o clube teria cedido o mando de campo para a Federação Brasiliense por cerca de R$ 800 mil. Odílio Rodrigues, presidente em exercício do Santos, defendeu-se, por meio da assessoria de imprensa.

“O Santos vendeu o mando de campo por um valor  acima da média das arrecadações, inclusive do que o clube faturou na decisão do Campeonato Paulista, na Vila Belmiro”, declarou. O cartola também argumenta que os custos de organização seriam altos por se tratar de um evento-teste e, por isso, os ingressos estão acima do preço considerado normal.

Anúncios