Poema de Fim de Semana: Fome de Viver

            Por Luiz Martins da Silva

Um dia, lá, naquele café,

Eu fiz um comentário qualquer,

Ao que você reagiu, num torpor:

“Até lá estaremos todos mortos”.

X

Que pensamento torto,

Escutando um bem-te-vi,

A verdadeira vida nossa

É o não nosso a ser deixado, aqui.

X

Por enquanto, do que somos, biologia,

O mesmo húmus que serve à horta,

Do lado de cá, deixar correr quente nas veias…

X

Viver, aqui e agora, o sonho que nos incinera,

Dele cuidarão melhor os que, do ofício, no futuro,

Erguerão, outra vez, ao alto, a imanência de nossas quimeras.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: Fome de Viver

  1. Nailda Rocha disse:

    De tudo o que é belo, o último verso antecipa o que se tornará a obra do poeta: orgulho dos seus e deleite dos amantes da arte poética.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s