Poema de Fim de Semana: A Poeira e o Deserto

 Poema de Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

 

Oh! Minha cólera! Escuta-me!

Atina-te, ainda que por um átimo.

Sabias que todos os sábios reverenciam

O que há de infinito num grão de areia?

 

Adia, enquanto é sóbria, a tua pedra.

O que há de grandioso em depredar?

Acaso, não te contentas em contemplar

A magnitude que te reflete no espelho?

 

Tua superioridade é tanto quanto

És capaz de se ater ao mínimo encanto

De que o Universo começa numa letra.

 

Toda a partitura cósmica parte de uma nota,

Que nunca se repete, desde o pingo da chuva

Ao enxoval de lágrimas que já o tem por perto.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s