Poema de Fim da Semana: Minha Dor

 

Poema de Luiz Martins da Silva

Minha dor nem chega à rosa,

De ser um degrau à Cruz,

Mas é um pigmento de luz,

Facho de tinta amorosa.

 

Minha dor não chega a susto,

De mover estátuas vivas,

Mas, desde já, já presente,

O que a mantém exaurir-se.

 

Minha dor, giro do mundo,

Protelamentos mesquinhos,

Jardins floridos de pedras.

 

Minha dor não é de perdas,

Mas das vitórias dormentes,

Ainda remansos na lida.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Brasília - DF, Cultura, Literatura e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s