Poema de Fim de Semana: Pergaminho Bugre

Por Luiz Martins da Silva

 

Uma tarde, numa aula de “História e Imaginário”,

vislumbrei de relance duas iniciais – “RF” -,

ainda remanescentes no couro curtido de uma cadeira.

 

O discurso percorrendo o tempo. Arqueologias.

A liturgia magistral. E eu a fixar-me

naquele monograma rude, um dia incandescente.

 

De um lado, ressonâncias do Barroco:

a procissão adentrando Vila Rica: “O Triunfo Eucarístico”.

De outro, o vento ainda à procura da outrora savana.

 

Pelas imensas vidraças, gigantescos bambuzais.

E o crepúsculo a fumegar réstias e respingos dourados.

“RF” me veio… assim, como raça dura. Indiana, zebu.

 

Docéis, carrocéis… Cruzes… Brocados… Rendas. Estatuária.

O carnaval sacro. E as epistemes. Os recortes, as hipóteses.

“RF”, ali, ainda brazonado, a servir de assento.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s