O Tapaculo de Brasília foi descoberto em 1958, por ocasião da construção de Brasília. Foto de Marcelo Araújo
O Tapaculo de Brasília foi descoberto em 1958, por ocasião da construção de Brasília. Foto de Marcelo Nóbrega
Textos com base no Wiki Aves, a Enciclopédia das aves do Brasil.
Fotos de Herbert O. R. Schubart, Jonatas Rocha, Marcelo Nóbrega e Margi Moss.

Descoberto em 1958, na época da construção de Brasília, o Tapaculo de Brasília (Scytalopus novacapitalis), ou macuquinho-de-Brasília , é uma espécie endêmica do Brasil. Trata-se de um Passeriformes da família Rhinocryptidae. O nome científico foi uma homenagem à nova Capital do Brasil

Tapaculo registrado por Jonatas Rocha, na Floresta Nacional.
Tapaculo de Brasília ou Macuquinho de Brasília,  registrado por Jonatas Rocha, na Floresta Nacional de Brasília.

Características

Com tamanho médio de 11 cm e peso de 18,9 g, ele possui as pelagens das partes superiores em tom cinzento-escuro e as das partes inferiores em cinzento-claro; loro esbranquiçado. O bico é curto, escuro e provido de uma “tampa” sobre a narina (opérculo nasal). A mandíbula é um pouco mais clara.

As pernas são claras, na cor marrom-amarelada ou rosada (não pardo-escuras como em Scvtalopus speluncae que é menor). Sua cauda é pequena e levantada.

Denominação

É comum, enquanto critério de denominação de animais pelos biólogos, o uso de referencial dos hábitos da espécie. Os tapaculos “anunciam qualquer excitação pelo levantar da cauda (daí o nome, pouco airoso, de “tapaculo” ou “tapacola” que lhes dão na língua espanhola)”. Do livro “Ornitologia Brasileira, de Helmut Sick; 3ª. edição, Editora UnB, Linha Gráfica Editora, 1988.

Estado de Conservação

(IUCN 3.1)
Quase Ameaçada

Um macho da espécime Tapaculo de Brasíliam captado pelas lentes de Margi Moss
Um macho da espécime Tapaculo de Brasília, captado pelas lentes de Margi Moss

É preocupante o estado de preservação da espécie. Ela esta na categoria de “Quase ameaçada”, que é o estágio imediatamente anterior à categoria “espécime ameaçada”

Canto

O canto do Tapaculo-de-Brasília lembra o do Tapaculo-preto (S. speluncae), sendo, porém, mais compassado “chet-chet-chet …”, ou “ük-ük-ük …“ou “tóc-tóc-tóc … ” .

O ritmo é bem menos apressado do que o Tapaculo-preto. Esta seqüência de sons, um tanto ascendente, pode seguir sem interrupção por dois minutos ou mais. Às vezes um segundo indivíduo, provavelmente a fêmea, responde com uma seqüência mais alta “wit…”, “tchâ, ta, ta” (advertência); quando torna-se irritado, em defesa do território após play-back, a dita seqüência monótona longa torna-se curta e termina com um áspero “tsa, tsa, tsa …”, que corresponde à advertência.

Veja o vídeo e ouça aqui o canto do Tapaculo de Brasília

Tapaculo de Brasília fotografado na Floresta Nacional - Flona, por Hebert
Tapaculo de Brasília fotografado,em março deste ano, na Floresta Nacional – Flona, por Herbert O. R. Schubart.

Hábitos

Com asas curtas, mas com pernas fortes, os Tapaculos-de-Brasília raramente voam (algumas variedades quase perderam capacidade de voar), mas correm com muita rapidez e escondem-se ao menor sinal de perigo. Além do Distrito Federal, o Tapaculo-de-Brasília já foi registrado no Triângulo Mineiro. Ele prefere habitar o sub-bosque de florestas de galeria e, ocasionalmente, áreas de florestas secundárias, próximas a cursos de água. Fica, normalmente ao nível do solo, entre a folhagem e vegetação densa, rica em samambaia (Blechnum brasiliense) e palmito-juçara (Euterpe edulis), ocupando o nicho ecológico de pequenos roedores.

Não há muitas informações sobre o tipo de alimentação preferida da espécie, mas existem registros de Tapaculos-de Brasília se alimentando de lagartas.

Está gostando?
Abaixo, 36 outras aves comuns à Capital Federal.
Clique no enlace e confira. 

Anúncios