Poema de Fim de Semana: Passagem de Pedestres

 Poema de Luiz Martins da Silva. Foto de Claudia Komesu

 

Tarde dourada de pingos,

Tapetes de flamboyant.

Eis que uma delas atravessa a faixa,

Tal e qual vindo da fonte,

A que aos domingos simplesmente denomina-se:

Água Mineral.

 

Visivelmente, reforçava contornos,

Mestiçagem coleante, de pavão e serpente.

Seria até mais bronze se apenas gazela,

Mas atrapalhava listras,

Dificultando o foco.

 

Seria a singeleza do sabão esculpido,

Imortalidade anônima,

Arte do povo,

Feira da Torre.

 

Mas, era só modelo,

Fantasia de desfiles, passarela.

Narciso brejeiro, flor de TV.

 

Tardes fugidias, névoa seca.

Sonhos dispersos.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Brasília - DF, Cultura, Literatura e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: Passagem de Pedestres

  1. Nailda Rocha disse:

    O mestre não dorme e torna belo, o que por vezes assusta… Lindo demais!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s