Poema de fim de semana: Vertigens

Por Luiz Martins da Silva

Oh! Meu amor! Por favor, não se dissolva.

No seu beijo, demore-se mais um pouco,

Nesta quadra de um tempo de torpores,

Em que tudo é veloz e é voraz.

 

Oh! Meu Amor! Por favor, não se evapore,

Não se digitalize neste mundo tão volátil,

Venha, eu tenho lábios, dois olhos e dois braços,

Para te recolher, te acolher e te tocar.

 

Meu Amor! Seja o que for, mas seja tátil,

Faça-nos alguma coisa, mas que seja natural,

Não me delete de uma vez a sua presença.

 

Meu amor! Nosso amor! Minha esperança

É que você perceba, navegar a que distância,

Você, numa tela; e, eu, do lado de cá.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de fim de semana: Vertigens

  1. Nailda Rocha disse:

    Estava sentindo falta desse deleite!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s