Poema de Fim de Semana: Dos Deuses

Por Luiz Martins da Silva

Quando os deuses choram

Não é que sejam rudes,

São somente luscos

De rios e chuviscos.

 

Deuses mal contêm

As suas poluções,

São resinas sagradas

De seivas cósmicas.

 

Quando os deuses riem,

São lágrimas indianas,

Ancestrais estamparias

De padrões fractais.

 

Ah! Os deuses nos invejam

Nas nossas conjunções,

Eles não são navios

Fundeando em portos.

 

Deuses não devem gulas,

Pois, são de perpétuo êxtase,

São de gozosos mistérios,

Comuns a nos soçobrar.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura, Religião. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Poema de Fim de Semana: Dos Deuses

  1. Nailda Rocha disse:

    Deuses não devem gulas,

    Pois, são de perpétuo êxtase,

    São de gozosos mistérios,

    Comuns a nos soçobrar.

    Curtir

  2. Nailda Rocha disse:

    Lindo isso mestre!

    Deuses não devem gulas,

    Pois, são de perpétuo êxtase,

    São de gozosos mistérios,

    Comuns a nos soçobrar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s