Por Renato Riella

Pesquisa feita com os eleitores do Distrito Federal mostra o domínio do Facebook na comunicação com o público, com 55,5% das pessoas afirmando que estão ligadas nesta rede social.
Ficou constatado que 28,5% desse público, incluindo velhos, analfabetos e população mais pobre, não tem qualquer acesso à Internet, mesmo morando no Distrito Federal, onde as condições sócio-econômicas são privilegiadas.

Tabela redes sociais df 1

O Instituto de pesquisas Dados Opinião, levantou a situação de três mil eleitores, em entrevistas domiciliares feitas nas 31 regiões administrativas da Capital Federal.

A segunda maior utilidade da Internet é para “pesquisas e busca de informação”, usando principalmente o Google. Pessoas interessadas nos canais de notícias (site noticiosas) representam 36,7% dos eleitores brasilienses.

Surpreende o acesso aos vídeos e ao Youtube por 32,6% da população, enquanto o Twitter, embora bastante comentado, é usado por apenas 15,8% das pessoas. A pesquisa foi feita de forma estimulada, com a apresentação de cartão na qual constavam os principais usos da Internet.

As respostas são cumulativas. Isso Tabela redes sociais df 2quer dizer que cada pessoa podia citar mais de uma preferência no acesso digital. Por isso, a soma das respostas passa de 100%.

São 11,3% os brasilienses que não dispensam os jogos eletrônicos, conforme relataram na pesquisa. O instituto Dados não apresentou a opção Instragam, que ainda é abordada por um público residual, se comparada com as demais. É interessante ver que 57% das mulheres acessam o Facebook e apenas 53,9 dos homens.

Na faixa de 16 a 24 anos, 84,4 são amantes do Facebook, mas entre aqueles que têm mais de 60 anos, somente 21% estão ligados na rede social. Já na busca de notícias, os homens são 38,4% e as mulheres, 35,2%. Como seria de se esperar, na faixa dos que ganham até um salário mínimo, 45,7% não têm qualquer acesso à Internet. Já os mais ricos, acima de 20 mínimos, têm apenas 19,8% das pessoas distantes do computador.

Anúncios