Por Luiz Martins da Silva

Palavras, verso e reverso

Do poder e da magia!

Imagine, até podem

Separar noite do dia!

 

Palavras, minhas amigas.

Almas da minha poesia!

Ora me dão o Amazonas,

O Nilo veio outro dia.

 

Quantas pessoas malvadas

Me trazem palavras doces!

E quantas pessoas queridas

Me causam grandes feridas?

 

Palavras me trazem pão,

Quantas sílabas para mim!

Ora, manjericão

Ora, ébrio de alecrim.

 

Palavras me trazem lógica,

Às vezes, me trazem medo.

A palavra pedagógica

Tem um certo gosto azedo.

 

Palavras negam e afirmam,

Zombam deste coração!

Que ora quer não, vem sim;

Que ora quer sim, vem não.

 

Por vezes, nascem no som,

Ou do carinho do vento.

Por vezes, vem com o dom;

Outras, por sentimento.

 

A palavra mais doída

É a que vem sem avisar:

Dizer da pessoa perdida

Que acabou de voar.

 

Virou sol, estrela, raio

No paraíso a morar,

Mas fica um corte profundo

E lágrimas que dão um mar.

 

Vou crescer, vou ser poeta

Para tudo transformar.

Só quero lápis, caneta…

O sopro divino escutar.

 

Palavra, parábola, pérola;

Avó, mãe, feto e parto;

Conselho de pai pra filho

Trigo, arroz, feijão no prato.

 

Anúncios