Desemprego no Distrito Federal ronda a casa de 200 mil pessoas.

Brasília, capital da República, vista por muitos como o eldorado é, na verdade, detentora das maiores taxas de desemprego das capitais brasileiras e também das maiores taxas de custo de vida.

Desde setembro de 2013, o GDF, via Codeplan, deixou de mensurar o desemprego na Capital Federal. Naquela ocasião, a taxa era de 12,3%, mais do que o dobro da taxa nacional.

O desemprego parece ser estrutural. Mesmo nos períodos recentes de maior crescimento econômico do Brasil, a cidade manteve taxas de desemprego que representam de 180 mil a 200 mil pessoas sem trabalho.

Na cidade tudo é muito caro: combustível, moradia,alimentação, transporte público…

Mas como assegurar qualidade de vida, crescimento econômico e redução da taxa de desemprego. As respostas a estas questões você acompanha na quinta vídeo-entrevista do blog Brasília por Chico Sant’Anna, que recebeu o professor de Economia, da Universidade de Brasília, Roberto Piscitelli.

A entrevista está dividida em dois blocos. Acompanhe.

Confira a entrevista, dividida em dois blocos.

Desenvolvimento Econômico e desemprego no DF – Parte 1

Desenvolvimento Econômico e desemprego no DF – Parte 2

Acompanhe também as entrevistas sobre o PPCUB, com a arquiteta Vera Ramos, diretora de Patrimônio do Instituto Histórico e Geográfico do DF, a entrevista sobre a Expansão Urbana no Distrito Federal, com o urbanista Frederico Flósculo,  a entrevista Mobilidade Urbana e as soluções para Brasília, com o professor da Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília, Paulo César Marques da Silva, e a entrevista Saúde Pública: o diagnóstico e as soluções para Brasília, com o presidente da Associação Médica de Brasília, Luciano Carvalho. 

Anúncios