Romance ambienta em Brasília drama de Shakespeare

Capa livro FlósculoO autor é cearense. O cenário da ficção: o Planalto Central. Um romance, sob influências shakespeareanas ambientadas na Capital Federal idealizada por Lúcio Costa.

Próspero & Lúcio: A Tempestade em Brasília – ninguém melhor pra explicar esta combinação do que o próprio autor, o professor de arquitetura e urbanismo, da Universidade de Brasília, Frederico Flósculo.

A idéia de escrever uma estória sobre os dias da construção de Brasília surgiu quando aconteceu o Concurso Público de Idéias e de Estudos Preliminares de Arquitetura e de Urbanismo para Revitalização das Vias W3 Sul e W3 Norte – de Brasília, DF, em 2002.

Esse Concurso foi ganho por uma equipe de psicólogos coordenada por um arquiteto, e representou uma oportunidade totalmente inesperada, para mim, de discutir a minha cidade de adoção.

Ao entrevistar pessoas e lideranças comunitárias, pioneiros – homens e mulheres remanescentes das equipes que ajudaram a construir a cidade em seus primeiros momentos -, gente do povo, jovens e visitantes da cidade, fomos mais uma vez reapresentados à mística que Brasília exerce sobre as pessoas.

Uma coisa é certa: a cidade despertou, em sua criação, expectativas poderosas, e foi uma demonstração inesquecível de capacidade em numerosos campos, não somente no urbanismo. 
Em meio à imensa diversidade de interpretações sobre o que foi Brasília, naqueles anos do final da década de 1950, uma permanece como a mais pregnante e emocionante: a cidade dos candangos em ligação direta com seu Presidente. O amor e a admiração que aquelas pessoas demonstram à figura histórica e humana de Juscelino Kubitschek é impressionante – e algo muito especial cerca essa relação, que foi fortemente atacada, à época. 

Uma idéia então me surgiu: e se os adversários de JK tivessem sido mais audaciosos, e tentassem baldar completamente o grande trabalho de construção da Nova Capital?

Essa idéia cresceu ao longo dos frustrantes encaminhamentos do resultado desse outro Concurso Nacional, o da Revitalização da Via W3, um pedaço da cidade que terá uma surpreendente, posterior história.

Entre o ano de 2002 e o ano de 2009, quando este livro foi escrito, praticamente nada foi realizado de concreto quanto ao nosso projeto de revitalização, e a Via W3 apresenta-se tão deteriorada e de-vitalizada quanto no ano do Concurso – e nos anos anteriores, na década anterior.

Perto dessa apatia e incapacidade de ação de governos que são, em última instância, continuidade do vigoroso episódio de construção de Brasília, o grande canteiro dos anos 1950 parece magia – como disse Arthur C. Clark, “não há nada mais parecido com magia que a tecnologia de uma civilização superior”. O paradoxo de Brasília é que essa civilização superior é a nossa, em momentos distintos, no tempo e no povo. No passado, algo de mágico aconteceu, aos olhos contemporâneos. The Tempest foi uma leitura da adolescência que se reuniu a essa reflexão sobre Brasília, como uma metáfora provocativa, que reúne encantamento e frustração.

A decisão de aplicar o enredo de The Tempest a algo tão brasileiro quanto a construção de Brasília deve ser visto como uma sincera tentativa de interpretar o que aconteceu naquele momento, visto de um ponto de vista de um confessadamente agastado estudante de urbanismo – eu mesmo. 

A provocação é animosa: a peça, de 1610, diz respeito à vingança do usurpado Duque de Milão, Próspero. Ele foi traído por seu próprio irmão, Antônio, com o apoio do rei de Nápoles, Alonso.

A fuga de Próspero para uma misteriosa ilha, com sua filha pequenina, Miranda, e os poderes mágicos que adquire da bruxa Sycorax, e que desenvolve até engendrar a terrível vingança de que trata a peça, são objeto de especial admiração entre os leitores do bardo elisabetano. Minha percepção é de que os admiradores dessa peça de Shakespeare formam um grupo à parte, contagiado por seu mistério. 
De algum modo, reconheci um paralelo entre Próspero e Lucio – cuja proposta vencedora do Concurso Nacional para o Plano Piloto da Nova Capital do Brasil completou, em 2007, 50 anos de concepção.

Claro, Próspero não é Lucio – e o próprio Lucio Costa é incluído em seu próprio papel nessa minha estória, juntamente com outros personagens da história brasileira, como Juscelino Kubitschek e Getúlio Vargas (que é aqui detratado e homenageado, além de inusitadamente associado à criação de Brasília), além de uma eventual citação a Oscar Niemeyer.

A história é uma homenagem a esses grandes brasileiros e, sobretudo, aos construtores de Brasília.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Brasília - DF, Cultura, Literatura e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s