Aurora em Brasília, by  OrlandoBrito

Poema de Luiz Martins da Silva. Foto de Orlando Brito

Aurora amica musae

[Provérbio latino]

 

Ainda lerdos os que se dizem conscientes,

Outros recobram o que vem desde os primórdios.

Nos bastidores, mal se despe o principal ator

E já o antecedem os primeiros jograis.

 

Allegro, andante, tropo, molto vivace…

Antes, eram martelos, agora, são trinados.

Profusão de acordes tingindo de cores,

Desperta a cidade-capital-da-esperança.

 

Nem todo o ouro se diluiu,

Parte dele se demora sobre um lago

Indeciso entre a bruma e o azul.

 

Pronto, tudo se conduz,

Cada qual retoma o seu destino

De luz, luta e brilho intenso.

Anúncios