poema poesia éPoema e foto de Ana Rossi

uma canção que ouço

um instante fugaz

um grão de areia na praia

um tesão pela manhã

um gosto de sede

um movimento nu de tai-chi

uma carta lida

um haiku de Bashô

“mizu” que é “água” em japonês

lindamente desenhada

o óbvio se desloca

e o não-óbvio emerge

das forças da terra

forte e saudável

pelas letras escritas

pelas jornadas refletidas

pelo sol que apazigua

pela luz do dia

pela claridade da noite

pelo afago que aconchega

sempre

e assim caminho

mais e mais

de dentro para fora

essa sou eu

instantes que faço

e que me fazem

digo sim ao destino

Anúncios