Incêndio Parque Córrego da Onça 4-9-2011 (2)Por Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

Em sendo o oceano um aceiro

De suor seco em vidraça,

O delírio se faz saga

De um azul-cobalto fugaz.

 

Céu, prumo de marinheiro,

Lágrimas de pó e sal,

Viver longe de uma praia,

Diminutivo de dunas.

 

Crimes de ar e incenso,

Queima de fogos malsã.

Crematório de crepúsculo,

Câmara de seres ardentes.

 

Velas a palo seco

De brumas imaginárias.

Cerrado, saara remoto,

Vagas de ilusória névoa.

 

Distante aldeia tórrida,

De casario em torpor.

O oceano é quase ali

Na orla de um lago só.

Anúncios