serenidadePor Ana Rossi

No final da tarde as horas se esvaem

brotam feito filamentos que caem

no final da tarde daquele dia, paz

entre o que vai e o que vem, fico

  

Serenidade bruta não existe

serenidade pura se lapida

entre o amanhecer de cada dia

e o escurecer de cada noite, sigo

 

e, assim, sem mais nem menos

sinto-me quieta, estranha-mente

quieta, com o coração em paz, vou

 

paz, que acalma tanta gente

e aquele final de tarde transita

na calmaria do que fui-sou, vou

Anúncios