Argentina-Chile de-2009 203Poema de Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

Nu/o rosto da noite/se veste de luz/
Escuro se despe/em dias ensolarados

                               Wellington Pereira

Certa vez eu li as horas,

Num lauto relógio de pedra.

Era um frio de molhar lhama,

Vertigens de Machu Pichu.

 

Fui a lavras de outras eras,

Rotinas de um tempo inca,

Marcante de todas as horas,

Vontades de um certo Inti.

 

Mas vislumbrei outro deus,

Não na pedra, mas nos seios,

Peitorais de prata pura

Nas donzelas do futuro.

 

Fiz para um tempo lendário

De um império interior

Um relógio marcador

De uma Lua literária.

 

A mim, redivivo de insônia,

Espero e temo o sono certo,

Pois pode ser que por flerte

Viva a vida em parcimônia.

Anúncios