Anjo Caído -Ana ROSSIPor Ana Rossi

anjo caído, dobrado, esmiuçado, despedaçado,

eis que você renasce novamente,  nestas carnes

cruas, duras que são as tuas vestes, endurecidas,

alvejadas por luzes que descrevem o teu ser etéreo

 

anjo caído, debruçado, amordaçado, teu grito sai da

garganta sem poder sair, e ele fica aí, tentando ver

a saída, mas saída não há, ainda não, será preciso ir

até o final, até o final disto aqui, para enxergar tudo

 

porque, anjo caído, antes, fechado para o teu ser, você

emergiu das brumas, das tramas onde você mesmo

escorregou, sem saber, embora sabendo, com a clara

 

consciência rasgada naquilo que você mesmo criou, in-

lócus, e não reconhece mais, nestes trastes velhos de tudo

o que passou ; e que você ousa, pela carne, ultrapassar

Anúncios