Poema de fim de semana: Curso Primário

Barquinho de papelPor Luiz Martins da Silva

Neste quadro de teu rosto,

Já não consigo recriar

Velhas composições infantis.

 

O barco desprendeu-se da corrente,

Rio abaixo,

O sol se pôs.

 

Ficaram para sempre as montanhas,

Vida afora,

Inapagáveis obstáculos.

 

No centro da paisagem,

Ainda verde, vive uma flor.

Lilás é a cor da verdade.

 

Por estas veias mais abertas

Carrega-se para dentro do peito

Uma derradeira paixão.

 

Nota bene: este poema foi publicado originalmente no livro Comigo foi assim (1979).
Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s