Poema de fim de semana: Ode a Manoel, agora Barro

 Por Luiz Martins da Silva. Ilustração de Lesma

 

Houve uma vez um homem,

Advogado das desimportâncias,

Por isso mesmo gloriosas,

No seu viver da antivaidade,

Viver a vida de barriga no chão.

 

Este homem, agora, entregou-se,

Sem nenhuma resistência,

À consistência de seu cogito:

Ser íntegro entre os normais.

Só o homem resiste ao normal.

 

O animal se foi, restou o homem.

Ficou o nome, resíduo de devaneio,

Do companheiro de jornada

Dos que são a própria jornada,

Enquanto filosofia de lesma.

 

Vai Manoel ser de vez barro

E ribanceira, herança de remansos.

Vez por outra vêm à margem

Suster-se de rabugens e esterco.

És, agora, a própria síntese elaborada.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de fim de semana: Ode a Manoel, agora Barro

  1. Nailda Rocha disse:

    Mestre. A terra está revolta, o poeta enlameado. O riso e vontade de te devolver uma homenagem ou convite. Que belo! Kkkk
    Vai Manoel ser de vez barro

    E ribanceira, herança de remansos.

    Vez por outra vêm à margem

    Suster-se de rabugens e esterco.

    És, agora, a própria síntese elaborada.

    Muito bom!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s