Poema de Fim de Semana: Gestos e Sons

MãosPor Luiz Martins da Silva

Em memória de José Martins

 

Fazendo a barba de um cego,

No asilo municipal,

Ocorre-me tocar um disco

Doces memórias, Ray Charles.

 

Nem tinha atinado bem

De cego vir a chorar,

Só de ouvir outro cantando.

Por pouco,  choraria também.

 

Melodias e silêncios,

De gargantas entaladas,

Sequer fui o tagarela

Da pergunta inevitável.

 

Cego ficou por quê?

Barba é que interessava.

Que tal um cavanhaque?

Conhaque é o que precisava.

 

Deixar isso para lá,

Que fique, lá, no passado.

Por que registrar isso agora?

Nem sei mais dos ocorridos.

 

Haverá ainda asilos?

Vicentinos caridosos?

Meu irmão banhava os doidos.

Hoje, ele e eles são finados.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: Gestos e Sons

  1. Sandra Fayad disse:

    O poeta, dentre outras atividades importantes, presta bela homenagem ao que servia.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s