Poema de Fim de Semana: Foliões

Bloco de sujos -Orlando BritoPoema de Luiz Martins da Silva. Foto de Orlando Brito

 

Agora, sim, chegou a vez do bloco dos sujos.

E pela fresta de um esquálido vitrô

Um interno se alui na ponta dos pés,

A tirar proveito de uma nesga de esplendor.

 

Inveja a sorte daqueles alucinados:

Desfilar sem trela o que bem vier à telha,

Sem vergonha de se revirar no exagero,

Cada um na posse do seu pequeno diabo.

 

Ali, onde se acha por prudência e laudo,

Sequer um tambor, um clarim qualquer

Sinais, de fato, do burlesco que se é.

 

Lá fora, sim, o direito de se dar ao luxo,

De se ser o outro em máscara e estrupício,

Sem ser enjaulado por conta de um delírio.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: Foliões

  1. Nailda Rocha disse:

    Como sempre mestre, seu poemas são um deleite. Obrigada.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s