Poema no meio da semana: Encantamento 5 : soneto do Negrinho do Pastoreio

Negrinho Pastoreiro

Por Ana Rossi

Na calada da noite, Negrinho estava lá,

vigiando o cavalo baio do patrão, no

passo de quem não sabe se volta,

mas ele voltará, para aquelas terras de lá.

 

Sem esporas de prata, o Baio, o preferido,

no rastro da noite, fugiu e se foi.

Negrinho atrás foi, não encontrou.

Apanhou de chicote, a pele chorou.

 

À noite, no formigueiro, o calvário

continuou. Seus lamentos ouvidos

por Nossa Senhora, não foram em vão.

 

Quando de manhã voltou o patrão,

o Negrinho de pele sadia, reconstituída,

esperava por ele, rastro de luz na pampa.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Folclore, Literatura e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s