Chico Sant’Anna, com base no Blog do Callado  e do Blog do Cafezinho.

Empresários do Distrito Federal pressionam pelo loteamento do Parque do Guará.

A Câmara Legislativa do Distrito Federal parece não querer se emendar mesmo e continua a legislar para atender o interesse de uns poucos em detrimento do bem estar da coletividade maior. No mesmo dia em que aprovou – a pedido do governador Rollemberg –  um polêmico saque bilhionário no fundo de Previdência dos servidores do GDF, o legislativo local aprovou um decreto revogando a ampliação dos Parques nas orlas Sul e Norte do Lago Paranoá.

No meio das discussões para garantir os salários dos servidores públicos, um ato passou despercebido, pode se dizer escondido. A Câmara Legislativa aprovou, em plenário, Decreto Legislativo, nº 57/2015, cancelando os decretos do governador Rollemberg que ampliava as áreas dos parques da QL 12 Sul (Península dos Ministros) e QL 2 Norte (próximo à Ponte do Bragueto).

O Decreto Legislativo nº 57/2015 é de autoria de quase todos os distritais. Assinaram o projeto Agaciel Maia, Bispo Renato Andrade, Celina Leão , Chico Vigilante, Cláudio Abrantes, Cristiano Araújo, Juarezão, Julio César, Liliane Roriz, Lira, Professor Reginaldo Veras, Rafael Prudente, Raimundo Ribeiro, Ricardo Vale, Robério Negreiros, Rodrigo Delmasso, Sandra Faraj, Telma Rufino, Wasny De Roure e Wellington Luiz. Os relatores que emitiram pareceres favoráveis foram os deputados Cristiano Araújo (PTB) e Robério Negreiros (PMDB). No final, o projeto recebeu o apoio de vinte, dos 24, deputados distritais.

Tanto a oposição quanto a base de governo de Rollemberg votaram contra os Parques.

Leia também:

Em síntese os deputados deram uma contraordem ao governador. Um ato muito forte. Os distritais que votaram a favor do PDL sustentaram que o governo deveria ter ouvido os moradores locais e debatido a questão no âmbito da Câmara Legislativa. Mas eles também não tiveram a preocupação de realizar audiências públicas para auscutar a sociedade.

Decreto dos distritais revoga a ampliação dos parques nas orlas Sul e Norte do Lago Paranoá.

As pesquisas de opinião apontaram a liberação das orlas Sul e Norte do Lago Paranoá para a população em geral como sendo uma das poucas iniciativas do GDF elogiadas pela população.

Mas os distritais decidiram votar no sentido de atender o interesse dos proprietários de lotes do Paranoá que invadiram área pública. Ou seja, um posicionamento pró grilagem e ocupação irregular das áreas verdes do Distrito Federal.

Porcurados por este blog, a maioria das ongs e movimentos sociais em defesa de Brasília não tinham conhecimento da votação do decreto e se mostraram surpreso com a decisão da CLDF. O secretário de Meio Ambiente, André Lima, considerou “problemática” a decisão da Câmara Legislativas.

Empresários de Brasília querem que GDF e CLDF autorizem loteamento da área do Parque do Guará.

Ameaça ao Parque do Guará

Esta não é a única inciativa contra os parques da cidade. Empresários de Brasilia, auto denominados “Setor Produtivo do DF”, apresentaram treze propostas ao GDF e à Câmara Legislativa para alavancar a economia local. Além de permitir  puxadinhos, puxadões, o avanço sobre áreas públicas, dentre as propostas, está a de alterar a destinação do Parque do Guará, para utilização comercial e residencial, efetuando seu desmembramento imobiliário e sua disponibilização à TERRACAP para comercialização.

Na CLDF, informam servidores, haberia um projeto de demarcação de lotes para a construção de 80 projeções no Guará. É forte o ataque às áreas verdes da Capital Federal e num momento de insegurança quanto ao futuro da existência da secretaria de Meio-ambiente do Distrito Federal que pode ser absorvida pela secretaria de Gestão do Territorio e Habitação.

Anúncios