Poema de Fim de Semana: A Volta

CigarraPoema de Luiz Martins. Foto de Chico Sant’Anna

 

Elas voltaram. Estamos aqui.

Mais uma vez, elas e nós,

Entrelaçando tempo e luz,

Cruzando xis em seções de cantorias.

 

 

Conivência, reinventar o calendário.

Pretexto de seresta, novo natalício.

Intimidades de zumbido, foi há um ano,

Remarquei para outubro o aniversário.

 

 

Retornando ao mundo e às flores,

Atinei o desleixo da memória:

Como pude elidir da mesma história

Cigarra, calorão e flamboyant?

 

 

Desde então, não sei o que é pranto.

Também truncado neste particular.

Hoje, redescubro, ao ouvi-las, estridentes,

Urge-me reaprender a chorar.

 

 

Quem souber de lágrima será gente.

Quem queira ser eterno, será canto.

Atingir em sonho nota máxima do juízo,

Entoar, convicto, o desatinado estribilho.

 

 

Leia também: Poema de Fim de Semana: A Cigarra

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s