Poema de fim de semana: Habeas Dor

tabord outono011Poema de Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

 

Hoje, meu coração é mais seiva,

Quase outono, folha, orvalho.

Contem-me reais novelos

De amores reencenados.

 

 

O mundo não se acabou.

Por favor, digam que sim:

Que a esperança não tem fim.

Eterno, é o nosso amor.

 

 

Van Gogh não sofre mais.

Algozes, desempregados.

Respeitos emoldurados,

Cruéis nem os carnívoros.

 

 

Não, não são de verdade

Os fatos no vão da tevê.

São pesadelos, delírios,

Pois, ferimentos não há.

 

 

Fica decretado, hoje,

Nenhuma criança faminta.

Maus tratos, nem no cinema,

Tampouco nos animais.

 

 

Todo humano será ser

Não de tirar, mas prover.

Amigos, em paz, sem brigas.

Mais abraços, menos siglas.

 

 

O beijo é todo o oceano,

Um instante é o infinito,

Criança contando areia,

Sonho, ciranda, sereia.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s