Poema de Fim de Semana: Rir

Menino e a pipa Planaltina fechadoPoema de Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

 

 

O vento não bate à porta,

Quem sabe é o dente-de-leão.

Quando for a hora,

Flutuar é cantiga de nuvens.

Sem a semente pronta,

Nem o rascante temporal

Aprontará dia de núpcias.

 

O riso é a nossa forma germinal

De ser e estar num jardim.

Girassóis são contagiosos,

É um, e lá vêm mil a abrir:

Enigma de gargalhar no silêncio.

Êxtase não carece propaganda.

Sequer precisa de andar.

 

Rir é só alocar um i entre erres.

Língua, sim. Não necessariamente cirílica.

Há seres que não riem.

Talvez, por expulsão do Paraíso.

Aos inocentes é apropriado,

Mesmo quando a dormir.

Felicidade não rima veneno.

 

Mel, sim, encomenda zumbido,

Alarido de polinizar.

Pode ser que uma e outra

De radar extraviado

Venham aos seus lábios,

Que são muitos, legião,

Se beijar for consentido.

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: Rir

  1. Nailda Rocha disse:

    Seus poemas mestre, são com bálsamo que anseio sem fadiga nos finais de semana… Obrigada.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s