Poema de Fim de Semana: Catilinárias

Por Luiz Martins da Silva

 

I

Muitos deles, ali, nas cornucópias:

Palácios e cúpulas sem decoro.

Encontram, ali, o lócus.

Excelências no trato, privado,

Da coisa mais pública, a Pátria.

II

Prestadores, não; predadores, sim.

Na arte de furtar, domínio exímio,

Para si e para os seus.

Negar, renegar e delongar

Até os confins da consciência.

III

Cidadãos que somos,

Pacientes, veias abertas,

Até quanto e quando

Estaremos anestesiados,

Quais serviçais curvos de uma festa?

IV

Haverá para a nudez dia e hora.

Sem máscaras, tristes figuras.

Já não poderão sair às ruas.

Um pãozinho sequer na padaria

E já um cenho e lhes franzir o lado de fora.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s