Poema de Fim de Semana: O Monge e o Ladrão

Monges TibetanosPoema de Luiz Martins da Silva. Foto de Cefas Siqueira

 

Sobre uma lenda zen

 

Ai de mim! Oh! Venerado Mestre!

Sou indigno da vossa presença.

Por toda vida que ainda tenha

Prometo, me restabeleço.

 

Oh! Meu filho, nada disso…

Nada disso me pertence.

Eu é que peço desculpas

Do quanto envergonham as sobras.

 

Por favor, carregue, tudo é seu.

Como posso ser um anjo,

Como chegarei aos céus,

Pesando mais que os meus ombros?

 

Homem de Deus, louvada figura!

Eu é que não quero mais nada,

Por favor, imploro, me denuncie.

O que mereço é clausura.

 

Façamos, então, um trato:

Eu, de cá, você de lá;

Os dois, sem nenhum apego,

A não ser aos próprios olhos.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Poema de Fim de Semana: O Monge e o Ladrão

  1. Nailda Rocha disse:

    Obituária mestre! Arrasou na humildade. Uma verdadeira prece!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s