Poema de Fim de Semana: Lobisomens

20160311_000408Por Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

À memória de Louise

 

Louvados circos, os de horrores.

Dos parquinhos baratos aos sustos de Hitchcock.

Eles nos amansam para os reais terrores

Do dia a dia, a qualquer momento, o choque.

 

 

O abominável pode estar ao seu lado.

Ele até pode lhe pedir em namoro,

Mas, uma vez frustrado, lobo

Cara de sonso, rosto e riso de homem.

 

 

Líricas lendas para dormir impúberes,

Por pouco, não lhes acariciam o pelo.

O nariz, os olhos, a boca, os dentes

Até podem lhe roubar um beijo.

 

 

Ingênuas pantomimas, madrugadas.

De repente, o pânico, mas, tão somente

O alívio de se acordar, era pesadelo.

Respiramos, já era, o medo.

 

 

Mas, o fato noticioso de ontem

Não era fantasia, era o avesso

Do gesto de quem se declara:

Diz que ama, mas, mata.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s