Um olhar hiperfotográfico sobre Brasília

Hiperfoto Brasília 1No 56º aniversário da Capital Federal, o fotógrafo francês Jean François Rauzier brinda a cidade com suas hiperfotos de Brasília.

A obra de Jean François Rauzier dialoga com o cubismo, de Picasso, o surrealismo, de Salvador Dalí, o mosaico dos vitrais de Marianne Peretti, o barroco e a escultura bidimensional.

Para serem produzidas as hiperfotografias de Rauzier passam por um processo longo e complexo. Manipuladas em computador, algumas delas, inclusive, alcançam um volume que pode sugerir uma escultura bidimensional.

Hiperfoto Brasília 3A mostra em Brasília apresenta 31 obras de paisagens, arquitetura e ambientes da capital brasileira que oferecem ao espectador a oportunidade de conhecer intensidades que ultrapassam ao normal.

Rauzier fez uma visita preparatória a Brasília que marcou uma verdadeira ruptura em sua maneira de conceber sua obra. “Rauzier foi tomado pelo construtivismo de Brasília, seu minimalismo, o branco puro dos edifícios mal esquentados por uma luz dourada ímpar. Todos este elementos característicos acabaram por levar o artista em outras direções”, analisa Marc Pottier, o curador das exposições no Brasil.

Hiperfoto Brasília 2Esta exposição propõe ao longo das imagens uma grande viagem a Brasília onde o espectador poderá reconhecer ou descobrir certos edifícios fechados ao público e alguns ícones da cidade como a Catedral, a Biblioteca, o Senado ou o Catetinho, primeira residência do Presidente Juscelino Kubitschek. Algumas imagens se tornam grandes caleidoscópios vertiginosos aos olhos do espectador.

Hiperfoto Brasília 4Ganhe sua Hiperfoto

As exposições no Brasil têm uma motivação a mais para Jean-François Rauzier. O fotógrafo idealizou uma obra coletiva com a participação dos brasileiros. Qualquer pessoa de qualquer local do Brasil pode participar com uma foto. Basta enviar as imagems para Hiperfoto-Brasil até o dia 15 de dezembro de 2017, quando a turnê de exposições no Brasil se encerra, em São Paulo. Os interessados devem entrar no site para saber sobre todos os detalhes de como participar. Todos os selecionados receberão uma cópia digital da obra, após o término da promoção.

Hiperfoto montagem

Ponte JK, Museu da República, Catedral e Supremo Tribunal Federal: algusn dos focos das hiperfotos.

O Fotógrafo

Jean-François Rauzier, nascido em 1952, é classificado como fotógrafo plástico. Uma variação de artista plástico. Isso em função da técnica da hiperfotografia, criada por ele.

Ele é considerado um precursor da fotografia digital. Ao inventar o conceito da hiperfoto, ele desenvolve a técnica de conjugar dentro de uma mesma imagem elementos em dimensões distintas. Desde o infinitamente grande até o infinitamente pequeno. É a aprtir da justaposição, da duplicação, da distorção das imagens que ele encontra a forma de reproduzir mais fielmente a visão humana, gerando um verdadeiro quebra-cabeça digital, no qual as peças reformatam, redesenham, a medida em que a fantasia do artista se encherta.

Serviço

A  exposição estará aberta de 20 de abril a 5 de junho, no Museu Nacional da República.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Brasília - DF, Cultura, Fotografia. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s