Poema de Fim de Semana: Sede e Cântaros

Por do Sol em Barra GrandePoema de Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

I

Os humanos podem, eventualmente,

Não ter boas mães, mas, são

Com certeza e, para sempre, filhos

De Deus e, em dado, mas incerto

Momento, voltarão ao reencontro.

II

Quando Narciso viu-se nu,

Não quis mais saber só de si.

Saiu à procura de uma outra metade,

Para logo voltar, eriçado em pelo.

III

Ser bom nem sempre é [ser] agradável.

Dizer não, com mel, se for possível.

Dizer sim, sim, é bom. Quando dois

Um ao outro se sentem sem espinhos.

IV

Ilusão, contar ao mundo autoflagelos,

Crer que há ouvidos para todo canto.

De plantão, nem a magia dos sentidos

Que acreditamos para a fé de quem se ama.

V

Saem os casais, felicidade à procura,

Mas, quando só a si descobrem,

Desvelam faltar ainda mais um pouco.

Quem sabe, com os filhos mais alento.

VI

Sejamos coerentes, ao menos uma tarde.

Antes que, tarde, a vida seja ocaso.

Acaso, ainda há luxo de arrependimentos

Para os frutos quando em flor foram promessas?

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s