Brasília perde três vôos internacionais. Dessa vez para Florida e Buenos Aires

Faltando poucas semanas para que Brasília sedie parte dos jogos de futebol das Olimpíadas, a cidade perde três vôos internacionais.

A Rota da Gol para Buenos Aires (Aeroporto de Rosário) já não opera mais.

A empresa TAM Linhas Aéreas, recentemente comprada pela chilena LAN, informou ao mercado o cancelamento de duas linhas para a Flórida,nos Estados Unidos. Deixarão de operar agora em junho alinha para Orlando. E setembro será a vez da rota Brasília–Miami.

Os vôos da TAM para Miami deixarão de ser oferecidos logo após os jogos, a partir de 1º de setembro e os de Orlando, antes disso: 5 de junho.

Atualmente, a TAM oferece 5 voos semanais na rota pra Miami. A companhia lamenta os possíveis transtornos que o cancelamento possa provocar, mas reforça que os clientes de Brasília continuam acessando Miami a partir de conexão com os voos que saem de São Paulo/Guarulhos e Rio de Janeiro/Galeão com destino à Florida.

A justificativa do cancelamento do vôo, informa a empresa, é a necessidade de ajuste econômico, face à queda de demanda de passageiros. Entretanto, segundo dados da Anac divulgados pelo jornal Correio Braziliense, o volume de passageiros aumentou em 1,7%. O Grupo Latam anunciou que devem ocorrer outros cortes na oferta nas rotas internacionais operadas a partir do Brasil.

A impressão que se tem é que centralizando os vôos internacionais no Rio e em São Paulo as empresas procuram uma superlotação em suas aeronaves e reduzir os custos de terra, tais como manutenção e tarifas aeroportuárias.

Leia também:

Os clientes da TAM com voos já programados na rota Brasília-Florida poderão remarcar as suas viagens ou solicitar o reembolso sem a cobrança de taxas.

Poucas Rotas

Nos últimos anos, o turismo internacional de Brasília tem sofrido com o cancelamento de diversas linhas aéreas e também pela não efetivação de outras. Em junho de 2013, a Transporte Aéreos Centro-americano -Taca cancelou o vôo que ligava Brasília a Bogotá e dela com conexões para todos países sul-americanos da costa do Pacifico e também para a América do Norte e Central. O vôo era inclusive uma opção mais econômica para aqueles que se destinavam à costa Oeste dos Estados Unidos.

Em outubro de 2011, a cidade voltou a perder novas linhas. Desta vez, a Tam, já em função da incorporação da pela LAN, cancelou a rota Brasília-Lima. Esta fusão das empresas implicou, ainda, no abandono, pela empresa chilena, de implantação do vôo de Santiago ao Planalto Central.

A Gol já não mais interliga Brasília a Buenos Aires. Foto de Chico Sant'Anna.

A Gol já não mais interliga Brasília a Buenos Aires. Foto de Chico Sant’Anna.

Por motivo de quebra financeira, a uruguaia Pluna deixou de operar a rota Brasília-Montevidéu. Não se sabe se o grupo que está arrematando a empresa uruguaia – provavelmente uma empresa espanhola – vai retomar a linha.

Há mais tempo, com a falência da Varig, a Gol, que ficou com o espólio, desativou o vôo Brasília – Buenos Aires, com escala em Porto Alegre. Sem a pressão da concorrência, a TAM tomou decisão igual.

Com menos vôos diretos, os passageiros de Brasília se viram obrigados a reforçar a lotação dos vôos que saem de São Paulo e Rio de Janeiro. A lucratividade dos grupos econômicos em primeiro lugar e o conforto dos passageiros em segundo plano.

Se olharmos para um período mais longínquo, podemos lembrar ainda que a Pan American operou vôos entre a Capital Federal e a Florida, e a Transbrasil ligava as capitais do Brasil e dos Estados Unidos. Outro vôo, com escala em Fortaleza, levava os brasilienses a Viena e Amsterdam.

Da forma como está, os brasilienses contam apenas com a empresa Copa, que liga a América do Norte e Central, via cidade do Panamá, as norte-americanas e TAM para Florida e Atlanta, e a Tap, para a Europa, via Lisboa.

Curioso, é que no primeiro governo Lula, após os acidentes com aviões da TAM e da GOL, o então ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou que São Paulo não receberia nenhuma outra rota aérea, e que vôos internacionais seriam distribuídos Brasil a fora, numa forma de criar novos portões internacionais. Chegaram até em falar numa linha Moscou-Brasília, pela Aeroflot. Mas esta, com tantas outras, foi mesmo para o Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

Pelo visto, falta uma ação mais efetiva das autoridades do Governo do Distrito Federal junto às autoridades nacionais. Do jeito que anda, o brasiliense terá que gastar quase um dia em conexões, apenas para deixar o território nacional.

Empregos

A desativação de rotas aéreas não traz como prejuízos apenas o desconforto para viajantes. Ele impacta diretamente na geração deemprego e renda. O fechamento da única freqüência da Taca em Brasíia significou a dispensa de mecânicos, descarregadores, pessoa da limpeza dos aviões, a turma que faz a alimentação de bordo, do pessoal que atua no check in, das tripulações de bordo, dentre tantos outros que se fazem necessários na assistência direta ao vôo.

Mas os efeitos negativos afetam também os setores que trabaham com turistas: hotéis, bares, restaurantes, taxistas, câmbio – menos dólares e euros são gastos na cidade – afetam até o camelô que vende artesanato e souvenir. Por isso, o Governo do Distrito Federal deveria ter uma ação mais efetiva e séria na defesa dos interesses da cidade.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Aviação, Brasília - DF, Turismo. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Brasília perde três vôos internacionais. Dessa vez para Florida e Buenos Aires

  1. Pingback: Au revoir, Brasília! Air France anuncia fim da rota para Paris | Brasília, por Chico Sant'Anna

  2. Geraldo Carvalho disse:

    Enquanto tivermos Governadores descompromissados com nossa cidade viveremos esta realidade. Brasilia está completamente abandonada sem gestão visando atender o turista,
    os pontos turisticos em total abandono, vejam ao longo do Eixo Monumental sem paisagismo nem cuidados com o gramado.
    O Governo não tem preocupação de preparar a cidade para o turista e a resposta está ai, estamos perdendo todos os voos internacionais.

    Curtir

  3. Luiz Fernando Arruda Ferreira disse:

    Também fui vitima do cancelamento da rota “Brasilia – Miami”. Comprei as passagens em março/2016 de “Bauru – Miami” com conexão em Brasilia, com um tempo de viagem em 13 horas e em abril/2016 simplesmente deram 3 opções: a devolução da quantia paga, a remarcação dos mesmos trechos adquiridos porém com 26 horas de duração total sem nenhuma menção em alguma ajuda em refeições, translados, estadias, etç e finalmente a que optei, saindo de Guarulhos até Miami,que aceitei mas terei muitas despesas como a locomoção de ida e volta de Bauru até São Paulo/Guarulhos tais como combustível, pedágios, refeições, hotéis, estacionamento de 15 dias. Quem será que vai pagar por todas essas despesas ? Quem procuro ?

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s