Poema de Fim de Semana: Para que serve um caminhão?

caminhão estilizadoPor Luiz Martins da Silva

Hoje, pelo menos duas crianças estão tristes.
Eu, caminhoneiro frustrado, desde pequeno,
E a Sula, a Miranda, a voz das estradas
Entoada em toadas para bravos motoristas.

Mas, diga-me, você que está no comando,
Para que serve mesmo seu coração?
Por que não voltará para a família?
Acaso, sem casa, irmãos, mulher, filhos?

Oh! Meu finado, para que serve mesmo um carro?
Com certeza não será para o escarro,
Ou escárnio da própria vida, nem as dos outros.
Sem essa de caminhão-kalachnikov!

Se você não está feliz na rota do mundo
Nem nos caminhos da sua mente,
Não se desvie da vida para o abismo,
Matar inocentes não traz felicidade.

Ilusão, acreditar que algum profeta
O acolherá de carona para o além,
Pois pode ser que a sua miragem
Nunca cesse o gesto de sua viagem.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s