Alerta às mamães: plantas medicinais podem ser nocivas à amamentação

Bastante popular no Brasil, o boldo nacional está na lista de ervas proibidas as mulheres que amamentam.

Bastante popular no Brasil, o boldo nacional está na lista de ervas proibidas as mulheres que amamentam.

O aviso é da Farmácia Viva da secretaria de Saúde do DF. Na lista tem boldo, carqueja e até alho

Da Ascom-SES/DF

A Farmácia Viva, da secretaria de Saúde do Distrito Federal, divulgou uma lista contendo 14 plantas medicinais contraindicadas para uso pelas mães que estejam no período de aleitamento materno.

Dentre as plantas inadequadas às nutrizes estão a alcachofra, arruda, babosa e boldo nacional e bóleo bahiano. Plantas como losna, espinheira santa, mastruz, alho e carqueja também alguns tipos que compõem a lista.

A babosa, ou aloé, também não é recomendada às nutrizes.

A babosa, ou aloé, também não é recomendada às nutrizes.

O chefe do Núcleo de Farmácia Viva, Nilton Luiz Neto Júnior, conta que o grupo de plantas que fazem parte do levantamento são conhecidas por serem populares e de fácil acesso aos cidadãos por meio comércio popular de ervas.

“Esse levantamento não esgota o assunto de plantas nocivas à amamentação, pois esse é apenas um primeiro estudo. Achamos importante realizar essa lista porque essas plantas são, tradicionalmente, usadas no tratamento sintomático de doenças e, principalmente, na forma de preparação de chás”, esclarece.

As 14 plantas, se forem utilizadas como medicamento, podem prejudicar o aleitamento materno por terem em suas composições alguns princípios ativos que causam sabor amargo ao leite, diminuem a produção do leite ou causam cólica no bebê que está sendo amamentado.

Confira aqui a lista completa das plantas

Anúncios

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Agricultura & Alimentos, Ciência & Tecnologia, Infância, Saúde Pública, Secretaria de Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s