3-lencois-ma-dez-2013-40Poema de Ana Rossi. Foto de Chico Sant’Anna

Golfadas de vento
engatinhando no meu ser
primo-vere se foram
primo-vere se vão
primo-vere virão
nas golfadas do tempo
corações em movimento
dínamo eletromagnético
com lenço e com documento
apraz-me esse tempo
para mim (mesma)
tempo sem cobrança
tempo como herança
tempo como perdões
tempo sem relento

 

Golfadas de vento
cerrado em movimento
átomos células
quantos quanta
imantação


Por isso meu desejo se torna maior
na escansão da minha canção
em dilatação

Anúncios