Poema de fim de semana: A Sede das Águas

palmas-junho-2008-21-bPoema de Luiz Martins da Silva. Foto de Chico Sant’Anna

 

Se somos água corrente,
Sangue, rio interior,
Por que hão de nos querer
Para si em seu regato?

Ai, de nós, os afogados
Que ficamos à soleira
Dos dias e do espanto
Da saudade não esperada!

Sim, pois quem se foi
Para o misterioso âmago
Lá, atônito e cândido,
No fundo é quem já flutua.

Para nós, o sentimento
Da perda e do vácuo.
Jamais fecharemos janela
Do impossível de não ver.

Somos desse não compreender
Do que, afinal, elementos:
Sede do ar, fogo, água
E a terra, a sete palmos.

Sobre Chico Sant'Anna

Sou jornalista profissional, documentarista, moro em Brasília desde 1958. Trabalhei nos principais meios de comunicação da Capital Federal e lecionei Jornalismo também nas principais universidades da cidade.
Esse post foi publicado em Arte e Cultura em Brasília, Cultura, Literatura, Poemas & Poesias e marcado . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s